Allan Pinkerton, in 1850, was the first detective of the Chicago Police Department and in 1851, the founder of, the Pinkerton Detective Agency, photograph circa 1861

Código Deontológico Detective Privado

Este Código Deontológico está destinado a preservar a boa execução da profissão de Detective Privado por todos os membros desta Associação Profissional, estabelecendo normas gerais de conduta e actuação profissional a que todos os Detectives Privados devem submeter-se.


  1. Sem prejuízo dos deveres estabelecidos neste Código, os Detectives Privados estão obrigados também ao cumprimento de todas as normas relativas à profissão, sejam elas do tipo jurídico geral ou específicas da A.D.P.P.P.
  2. A independência do Detective Privado no exercício da sua profissão, que deve realiza-la sem estar submetido a nenhuma pressão, principalmente daqueles que poderão proceder de seus próprios interesses ou de influencias exteriores, constitui a garantia de que os interesses do cliente serão defendidos com total imparcialidade e objectividade.
  3. O Detective Privado está sujeito ao sigilo profissional e tem o direito e o dever de guardar segredo de todos os factos e acontecimentos conhecidos no desempenho da sua actuação profissional.
  4. Os interesses do cliente devem ser atendidos com diligência e com o compromisso de procurar a verdade, só informando sobre factos que conhece a sua origem e sem nunca omitir informações essenciais para a resolução do caso.
  5. O Detective Privado é livre de aceitar ou de recusar serviços propostos pelo cliente, devendo em caso de recusa explicar os motivos da sua decisão.
  6. Quando o Detective Privado encarregue de um determinado assunto profissional ou como consequência do desenrolar do mesmo, tiver conhecimento de um crime, tem a obrigação de informar as autoridades policiais.
  7. O Detective Privado a quem as autoridades competentes solicitem a informação que disponha sobre o crime, deverá facultá-la com a maior brevidade.
  8. O Detective Privado que se veja perturbado no mantimento do sigilo profissional, deve comunicar o mesmo à A.D.P.P.P.
  9. O detective Privado deve abster-se de qualquer pratica de competência ilícita.
  10. Todos os serviços prestados pelos Detectives, são obrigatoriamente contratados mediante um contrato de prestação de serviços, onde constará a identificação de ambas as partes, domicilio dos mesmos, discriminação dos serviços a efectuar, valor dos custos do referido serviço e condições de pagamento, ficando o cliente com o original.
  11. De todos os valores cobrados, o Detective Privado tem a obrigação de passar o respectivo recibo.
  12. A relação do Detective Privado com o cliente tem que ser de recíproca confiança, conduzindo-se na profissão com a máxima honestidade, sinceridade e moralidade.
  13. No fim de cada serviço o Detective Privado tem que entregar ao cliente o relatório detalhado de todo o seu trabalho.
  14. O Detective Privado está obrigado a:
    1. Cumprir os estatutos da Associação Profissional, o Código Deontológico, as leis vigentes, as disposições gerais ou particulares, acordos e decisões adoptadas pelos órgãos associativos dentro das suas competências.
    2. A denunciar à Associação Profissional todos os actos de que tenha conhecimento de intrusos que se fazem passar por Detectives Privados.
    3. A ter consideração, respeito e lealdade às Instituições Governamentais e aos membros que as representam quando actuem nessa qualidade.
  15. O Detective Privado deve abster-se de intervir ilegalmente em comportamentos ou actos da parte investigada com o fim de promover ou provocar situações que não aconteceriam sem essa intervenção.
  16. A publicidade que os Detectives Privados realizem, por qualquer meio, deve ser de carácter informativo e não persuasivo, não deve conter comparações com outros profissionais, sejam ou não Detectives Privados, deverá ter sempre a indicação do seu número de membro e não deve conter referencias a vantagens com os custos dos serviços.